[Fábio Jefferson] Calvino Foi Um Ditador de Genebra? [Parte 2]

Muitos católicos de forma desonesta insistem em dizer que Calvino decapitou uma criança. Quem gosta de deturpar a Genebra de Calvino é o historiador Will Durant (Will Durant’s book, The Reformation). Ele fornece várias páginas que descrevem Genebra como um lugar horrível para se residir, terrores insuportáveis que resultaram do tirano despótico João Calvino. Este historiador concluiu sua cobertura de Calvino com, “… sempre acharemos difícil amar o homem que obscureceu a alma humana com a mais absurda e blasfema concepção de Deus em toda a longa e honrada história do absurdo” [Will Durant, The Reformation: The Story of Civilization (New York: Simon and Schuster, 1957), 490]. Mais tarde, em sua dupla autobiografia, (Link) ele e sua esposa apontam a aparente rejeição da Reforma da Renascença “como pagão” e uma reversão “à teologia sombria de São Paulo e Santo Agostinho, levando ao predestinarianismo de Calvino e Knox, ao regime puritano e à substituição da autoridade papal pelo autoritarismo do estado na religião na Alemanha e na Grã-Bretanha”. Durant não escondeu o fato de que não simpatizava com Calvino ou com a Reforma.

Não é que todo fato ou boato oferecido por Durant sobre João Calvino seja suspeito de estar errado devido a um viés inerente. Houve resultados infelizes, opressivos e mortais da moralidade estrita imposta pela igreja e estado de Genebra enquanto Calvino estava na residência. Enquanto cada atrocidade social que ocorreu não pode necessariamente ser ligada ao Reformador, Calvino não pode ser completamente exonerado de seu papel ou lugar naquela sociedade (nem ele provavelmente gostaria de ser). Calvino, apesar de sua grandeza intelectual e piedade, ainda era um homem com defeitos, falhas e pecados. Ele tinha influência em Genebra (pelo menos em certas épocas) e era a favor de uma disciplina social rígida. Mas o Calvino de Durant parece mais um inquisidor remanescente da era dourada da Inquisição, um magnata implacável sedento de poder que transformou Genebra em uma das sociedades mais opressoras da história. A tendência básica de Durant é tornar Calvino pior do que ele era, necessariamente ligando-o a uma série de eventos históricos (dos quais ele pode ou não ter feito parte), e também descrevendo-o de uma forma excessivamente negativa e desequilibrada. Aqui está um breve trecho dos males atribuídos a Calvino de Durant para demonstrar este ponto:

Falar desrespeitosamente de Calvino ou do clero era um crime. Uma primeira violação dessas ordenanças era punida com repreensão, violação posterior com multas, violação persistente com prisão ou banimento. A fornicação deveria ser punida com exílio ou afogamento; adultério, blasfêmia ou idolatria com morte. Em um caso extraordinário, uma criança foi decapitada por bater em seus pais (link). Nessa afirmação, Durant fornece documentação apenas para a primeira, citando esta fonte secundária, (link) que diz apenas, “… rir dos sermões de Calvino, ou ter falado palavras quentes dele na rua, era um crime…”. Esta fonte não fornece documentação para a declaração. Isso é típico do trabalho histórico de Durant. Freqüentemente, os materiais primários aludem às suas conclusões. Ele simplesmente cita algum outro historiador fazendo uma afirmação não documentada. Aqui, a trilha histórica de Durant termina em uma fonte secundária. De acordo com Durant, houve um “caso extraordinário” em que Calvino mandou decapitar uma criança, e esse relato não é o centro das atenções, usurpando o incidente de Serveto? Parece ultrajante: Calvino mandou executar uma criança por simplesmente bater em seus pais, e isso não é mais desprezível do que Calvino mandar executar um homem adulto por heresia? A execução de uma criança não costuma ter mais capital emocional da sociedade? Algo não se encaixa aqui.

Documentação: Durant

Durant documenta a decapitação da criança. Ele primeiro menciona que é da mesma fonte da documentação anterior mencionada acima, Charles Beard, The Reformation of the Sixteenth Century in its Relation to Modern Thought (Edinburgh: Williams and Norgate, 1885), 250 (Link). Essa fonte afirma:

Duas coisas devem ser notadas especialmente no reinado sagrado de terror que Calvino estabeleceu e deixou para trás como um legado para Genebra: primeiro, a vasta extensão dada à ideia de crime, e a seguir, a pior que a severidade Draconiana das punições infligidas . O adultério foi repetidamente punido com a morte. Uma criança foi decapitada por ter agredido pai e mãe. banimento, prisão e, em alguns casos, afogamento, eram penas infligidas à falta de castidade.

Semelhante às afirmações anteriores, este autor não documenta suas afirmações. Pode ser que Beard se baseou em “Registros da cidade de Genebra” (Registers of the city of Geneva) que é mencionado em uma nota de rodapé no final da página, ou pode ser que esse autor simplesmente tenha emprestado o fato de outra fonte secundária. Durant pode ter percebido essa falta de evidência primária e, na verdade, fornecido outra fonte, uma de linhagem muito melhor: Phillip Schaff’s History of the Christian Church. Ao descrever “os casos mais marcantes de disciplina” em Genebra, Schaff lança vários exemplos, incluindo: “Uma menina foi decapitada por bater em seus pais, para justificar a dignidade do quinto mandamento” (Link). Schaff também não documenta isso. Mais tarde, na mesma seção, Schaff menciona os Registros de Genebra, mas parece ser um exemplo diferente. Mais uma vez, a trilha de fatos de Durant chega a um beco sem saída para quem se aventura nas profundezas da história.

Documentação: Edward Babinski.

Esta história de Calvino e a criança decapitada está espalhada por toda a Internet. Um dos melhores sucessos vem de Edward Babinski. Babinski encontrou a mesma frase de Schaff e afirma:

Schaff não nota o incidente da “decapitação”, embora ele forneça nessa página e nas próximas algumas notas de rodapé sobre outros incidentes de proibições e suas penalidades em Genebra. Ele também lista as fontes que consultou ao escrever seu livro (as fontes estão listadas no início de cada seção). Neste caso, a julgar pelas notas de rodapé próximas e por sua lista de fontes para aquela seção específica, ele provavelmente obteve suas informações dos Registros do Conselho de Genebra ou em “Amedee Roget: Lʼeglise et lʼetat a Geneve du vivant de Calvin. Etude dʼhistoire politico-ecclesiastique, published in Geneve, 1867 (pp. 92). Compare também em Histoire du people de Geneve depuis la reforme jusquʼa lʼescalade (1536-1602), 1870-1883, 7 vols.”

Babinski diz que Schaff pode ter obtido a informação diretamente dos registros do Conselho de Genebra. Na seção de literatura de material de origem (Link), Schaff não cita diretamente os Registros (mas faz referência a eles em suas notas de rodapé). A próxima fonte, Lʼeglise et lʼetat a Geneve du vivant de Calvin. O Etude d’histoire politico-ecclesiastique está disponível aqui (Link). Babinski menciona especificamente “pp. 92” da edição de 1867, (Link) mas não parece haver nada remotamente relevante para a história neste livro, nem especificamente na página 92.

Babinski simplesmente está repetindo a referência como Schaff observou, que o livro tem 92 páginas. Babinski então orienta seus leitores a comparar esta fonte com sete volumes de ” Histoire du people de Geneve depuis la reforme jusquʼa lʼescalade. ” Não tenho certeza de como comparar um livro de 92 páginas a sete volumes pode tornar a decapitação dessa criança mais clara. Embora Babinski esteja citando Schaff diretamente, o foco estreito desta criança decapitada está ficando ofuscado pela apresentação de Babinski da bibliografia básica de Schaff da literatura sobre Genebra do século XVI.

Babinski fornece algumas outras pistas interessantes sobre esta história: o ano da execução e o nome da criança. . Citando um livro antigo de Paul Henry (Link) , ele afirma: “Outra criança em 1568, por ter batido nos pais, foi decapitada” , mas novamente, a documentação desta fonte está faltando. Em seguida, Babinski cita uma tradução inglesa desconhecida de Jean Picot que afirma: “Philippe Deville foi decapitado em 1568 por ter espancado seu pai e sua madrasta.” Isto está documentado, Jean Picot Professeur d’histoire dans la faculte des lettres de lʼAcademie de cette ville] Histoire de Geneve, Tome Second (Publicado em Genebra, ou seja, A Geneve, Chez Manget et Cherbuliez, Impreimeurs-Libr. 1811) p. 264: Link.

O texto diz:” Philippe Deville fut décapité en 1568, pour avoir battu sonpère et sa belle-mère . “Babinski então declara:

Picot e Schaff não concordam sobre o sexo da criança decapitada, e minha primeira fonte, Dr. Henry, apenas menciona que era uma “criança”, não especificando seu sexo. A História de Genebra de Picot fornece as informações mais completas sobre o incidente, incluindo o nome da criança e a data da decapitação. Os arquivos de Genebra são vastos e incluem não apenas os Registros do Conselho e os Registros do Consistório, mas também muitos outros registros (que o estudioso de Calvino, Robert Kingdon, lista por categoria no Vol. 1 de sua tradução para o inglês do Registros do Consistório). Embora enormes, os arquivos de Genebra provavelmente poderiam ser pesquisados focalizando o ano da decapitação e o nome da criança que Picot deu, e eles provavelmente poderiam fornecer mais informações, como a idade da criança quando foi decapitada. – E.T.B]

Conclusão

Schaff acrescenta que a decapitação ocorreu “para justificar a dignidade do quinto mandamento.” Embora este possa ter sido o motivo real, também pode ser simplesmente um comentário adicionado ou inferência de Schaff, em vez de algo especificamente observado nos registros de Genebra sobre esse incidente. Faz-nos perguntar exatamente quantos anos essa criança tinha para que batesse em ambos os pais. Mesmo que fosse um adolescente mais velho, isso não justificaria a pena de morte em nossa época e cultura, mas nos faz pensar exatamente quais podem ter sido os outros detalhes para provocar uma sentença tão dura naquele período de tempo. Quão grave foi essa surra?

Se todos esses historiadores estão descrevendo o mesmo evento, há um fato flagrante mencionado por Paul Henry e Jean Picot que, por alguma razão desconhecida, Will Durant, Charles Beard e Philip Schaff omitiram. Foi também um facto mencionado mas minimizado por Babinski: o ano do incidente: 1568, em que alguns dos relatos dizem que a decapitação ocorreu. O que João Calvino, o tirano despótico estava fazendo em 1568? Ele estava encarando a criança no tribunal de Genebra como um promotor, ousadamente proclamando que a lei de Deus foi violada e que a criança deveria ser punida com a morte? Ele estava assistindo a decapitação de uma criança por quebrar a lei de Deus? Não, Calvino estava descansando em seu túmulo. Ele morreu em 27 de maio de 1564. Se 1568 é o ano correto, o melhor que os detratores de Calvino podem fazer com este evento é argumentar que a decapitação foi o resultado da influência anterior de Calvino em Genebra. Essa conexão precisaria ser provada como uma conexão necessária do registro histórico, não simplesmente assumida.

Genebra decapitou Philippe Deville em 1568? Apesar de não ter encontrado nenhuma evidência primária corroborante específica, presumo que sim. Quanto aos detalhes e por que invocaram a pena de morte, não sei. Sim, acho que Genebra exagerou na disciplina, sim, houve atrocidades infelizes cometidas pelo Estado; sim, Calvino desempenhou seu papel em ambos até sua morte em 1564. Mas Genebra desempenhou seu papel na progressão da piedade e da prática para longe de Roma, e eventualmente separou a igreja do estado (o que levou muito tempo!). Há uma tendência de pensar que, uma vez que a Bíblia se tornasse o centro da igreja e o papado fosse desfigurado, toda a cosmovisão e práticas medievais cairiam imediatamente. Não, isso demorou. Genebra demonstra a dissonância de uma igreja que busca reformar de acordo com a Bíblia e ainda funcionar com aspectos da estrutura medieval de governo.

Adendo
Aqui estão algumas outras fontes que mencionam a criança decapitada em 1568. Mais serão adicionados quando eu os encontrar.

“Le manque de respect aux Parents constitui alors une atteinte à la loi sur laquelle il n’est pas question de transiger: un enfant du village de Genthod, Damian, fou de colère, insulte sa mère:« Diablesse! Diablesse!» en lui jetant des pierres. Il est fouetté publiquement, pendu à une potence et n’échappe à la mort qu’en raison de son jeune âge.Son aîné, Philippe de Ville, est décapité pour avoir battu père et mère. Son aîné, Philippe de Ville, est décapité pour avoir battu père et mère” (Link).

“En 1568, Philippe Deville fut décapité pour avoir battu son père et sa belle-mère” (Link). “Em 1568, Philippe Deville foi decapitado por agredir o pai e, no ano anterior, Antonia Sambuzide foi condenada à prisão por pegar o marido pela barba.” (Link).

“Para entender o que a palavra ‘severidade’ significa, deixe ser acrescentado que certos homens que riram durante um sermão foram presos por três dias; outra pessoa teve que fazer penitência pública por negligenciar a comunhão no Domingo de Pentecostes; uma garota foi decapitada por golpear seus pais; várias mulheres foram presas por dançar; e uma senhora foi expulsa da cidade por expressar simpatia pelos ‘libertinos’ e por abusar de Calvino e do Consistório” (Link).

“Calvino permitiu que uma garota fosse decapitada (pelo crime hediondo de bater em seus pais) durante seu reinado de terror em Genebra, 400 anos atrás. Esta atrocidade não é exatamente um segredo; é relatada sobriamente por historiadores importantes; mas é o tipo de fato isso não é ensinado.” (Link).

Outro boato sobre a Genebra de Calvino usado por muitos apologistas católicos é essa:

Uma mulher foi APRISIONADA POR ARRANJAR SEU CABELO a uma “altura imoral” (Link). O popular autor cristão Philip Yancy faz referência a ela em seu best-seller What’s So Amazing about Grace?: “Um pai que batizou seu filho Claude, um nome não encontrado no Antigo Testamento, passou quatro dias na prisão, assim como uma mulher cujo cabelo atingiu uma ‘altura imoral’.” Yancy vincula diretamente este incidente a Calvino como um exemplo do que ocorre “Quando a igreja tem a oportunidade de estabelecer regras para toda a sociedade, muitas vezes se desvia para o extremismo contra o qual Jesus advertiu.”

Vamos dar uma olhada neste fato e tentar determinar a verdade e o envolvimento de João Calvino.

Documentação: Will Durant, The Reformation

Talvez a popularidade desse fato encontra sua gênese no livro do historiador Will Durant, The Reformation. A frase-chave que distingue Durant como marco zero é o uso da frase “altura imoral”. Pelo que posso dizer, ele é o primeiro a usar essa frase. Veja aqui o que Durant diz (Link):

Durant fornece uma nota de rodapé (Link) logo após a “altura imoral” do cabelo da mulher: “Villari, Savonarola, 491”. Durant diz que isso se refere a (Link) ” VILLARI, PASQUALE, Life and Times of Girolamo Savonarola, NY, 1896.” Aqui está a página 491 (Link) desse texto. No contexto, Villari não está fazendo um estudo aprofundado sobre Calvino ou Genebra. Ele está simplesmente mencionando Calvino de passagem como uma comparação com Savonarola. A comparação pretende mostrar (segundo ele) que ambos sofriam de fanatismo e intolerância. Villari afirma:

João Calvino não viveu na época de Leão X. e Francisco I. Ele não era um homem de cultura considerável, gênio elevado e força de vontade de ferro? Ele também se tornou o chefe de uma república, sem, no entanto, o mérito de ser seu fundador; e ainda, enquanto o declarado campeão da liberdade e tolerância, ele não apenas infligiu as punições mais severas a todos os que blasfemaram ou trabalharam no domingo, mas até mesmo lançou mulheres na prisão por pentearem seus cabelos de uma maneira indecente! 1 Não foi ele quem, no ano de 1553, fez com que o inocente e mal-estrelado Serveto fosse queimado até a morte em Genebra? Não faz parte da verdadeira crítica histórica deixar de lado, ao julgar Savonarola, toda a lembrança da paixão humana e da excitação religiosa.

1 Nos Arquivos de Genebra, o decreto ainda é preservado pelo qual uma mulher foi condenada à prisão, parce qu’elle n’avait pas les cheveux abattus .

Esta foi a fonte esparsa que Durant utilizou. Villari afirma que foi o próprio João Calvino que “até jogou mulheres na prisão por pentearem seus cabelos de maneira indecente”. A documentação também é fornecida: “Nos Arquivos de Genebra, o decreto ainda é preservado pelo qual uma mulher foi condenada à prisão”. Observe que Villari explica que os registros de Genebra dizem explicitamente, “parce qu’elle n’avait pas les cheveux abattus” , mas ele deixa a cargo de seus leitores a busca por esses registros para esta frase em particular! Esta não é uma documentação significativa, especialmente para seus contemporâneos.

Observe também que Will Durant citou mal Villari. A tradução inglesa de Villari utilizada por Durant não diz “altura imoral” , mas sim “moda imodesta” . O texto de Villari era originalmente em italiano, não em inglês (Link) . O texto italiano de Villari diz: “le donne per la poco modesta acconciatura dei loro capelli”. “Moda imodesta” é uma tradução inglesa aceitável. Por que Durant escolheu “Altura imoral”? Um deles retrata uma mulher de Genebra com um penteado tipo colmeia dos anos 1950. É verdade que as palavras “imodesto” e “imoral” estão relacionadas, mas não Parece que Durant estava tentando pintar um quadro mais sombrio do evento do que o que Villari escreveu? O texto francês citado por Villari (parce qu’elle n’avait pas les cheveux abattus ) não diz altura imoral . A essência é que ela não estava pendurada.

Aqui vemos que não apenas Durant foi tendencioso por sua escolha de palavras ao citar sua fonte secundária, como também que secundária não substancia a informação apresentada de maneira proveitosa. A trilha mapeada por Durant para descobrir a verdade histórica acaba sendo um beco sem saída.

Outras Considerações

Existem indícios de outras fontes a serem considerados para determinar se Calvino ou Genebra regulamentavam o cabelo das mulheres. Por exemplo, esta fonte afirma (Link):

Decretou-se então que as tabernas deveriam ser fechadas ao anoitecer, todos os jogos de dados e cartas eram proibidos e qualquer tipo de blasfêmia e palavrões eram punidos com prisão. Teria sido bom se os reformadores tivessem se contentado em parar por aí, pois as prisões estavam cheias de delinquentes, mas Calvino insistiu em legislar sobre o assunto do vestuário e adornos pessoais, e os pecados de vaidade foram punidos, como se pertencessem a mesma categoria que roubo e difamação. Os registros da república com data de 20 de maio de 1537, contêm a seguinte entrada: –

“Uma mulher casada saiu no domingo passado com o cabelo mais solto do que o devido, o que é um mau exemplo e contrário ao que prega o Evangelho. A patroa, as criadas que a acompanhavam e a mulher que lhe penteava foram enviadas para prisão.”

Observe particularmente, este autor afirma que a mulher tinha “o cabelo mais solto do que deveria “, exatamente o oposto do que Durant afirmou. Agora Calvino não está prendendo apenas mulheres por causa do cabelo alto, ele as está prendendo por causa do cabelo comprido! O famoso historiador Leopold von Ranke (Link) também menciona uma versão desta história:

Uma das principais causas de contenda era o adorno das noivas, a “plicatura capillorum”, que os pregadores, de acordo com 1 Pedro iii. 3, não permitiria. Nos Registros da República de 20 de maio de 1537, descobrimos que a mãe e as amigas que estavam presentes quando uma noiva apareceu “avec les cheveux plus abattus qu’il en se doit faire”, também foram submetidas à punição. Os novos pregadores se obrigaram a permitir a bênção da noiva “en cheveux pendans”.

Suspeito que os ” Registros da República ” citados sejam este texto:

“Une épouse étant sortie dimanche dernier avec les cheveux plus abattus qu’il ne se doit faire, ce qui est d’un mauvais exemple, et contraire à ce qu’on leur évangélise, on fait mettre en prison sa maitresse, les deux qui l’ont menée, et celle qui l’a coiffée. – Régistres, 20 Mai, 1537. Acredito que a fonte (Link) popular para este texto francês utilizado por esses dois escritores pode ser uma biografia de 1850 de João Calvino. A data de 20 de maio de 1537 parece ser um erro deste biógrafo. A data real era 30 de outubro de 1537. Suspeito que o biógrafo utilizou esse texto (Link) e cometeu um simples erro de copista. Karl Barth menciona esta história semelhante (Link) junto com a data correta e uma referência útil”.

Barth documenta isso em CO 21, 216 (Link) . Isso se refere ao conjunto de vários volumes, Joannis Calvini opera quae supersunt omnia (Link). Volume 21, página 216 afirma:

O mesmo texto pode ser encontrado em Registres du Conseil de Genève à l’époque de Calvin, Volume 2 (Link). Então Durant entendeu tudo certo e errado. Ele está certo ao dizer que uma mulher foi detida e encarcerada. Ele está errado quanto aos detalhes específicos.

Conclusão

Os Registros de Genebra registram pelo menos um exemplo da regulamentação do estilo do cabelo e subsequente prisão em 1537. Parece-me que o cabelo da mulher era colocado para cima, enquanto o padrão era ter o cabelo solto. Calvino chegou a Genebra em 1536, mas os melhores registros da igreja de Genebra não começaram realmente até uma década depois. O que está disponível nos primeiros anos são fragmentos (Link), de onde vêm essas informações. Parece que o incidente que Durant estava documentando (via Villari) era originalmente um fragmento de 30 de outubro de 1537.

Uma coisa que está faltando no contexto do fragmento de fonte primária é a referência a João Calvino tendo uma mulher presa por seu estilo de cabelo. É verdade que Calvino foi uma voz importante na vida da igreja de Genebra. Ele era diretamente responsável pela ordenança? Este autor (Link) afirma que alguns desses regulamentos estritos (como a lei do cabelo) “já existiam” antes de Calvino se envolver. Para este autor, a culpa de Calvino não foi fazer a ordenança, mas sim apelar ao Conselho para fazer cumprir aquelas leis pré-existentes. Calvino era então diretamente responsável por ter uma mulher presa por causa de um penteado em 1537? O contexto não diz isso. O máximo que se poderia argumentar é que Calvino pode ter influenciado o incidente.

Quão responsável então foi Calvino pelos regulamentos sobre penteados? O movimento de reforma em Genebra não começou com Calvino, mas certamente cresceu exponencialmente sob a influência de Calvino. O biógrafo de Calvino, Thomas Henry Dyer, (Link) descreve Genebra como sendo não apenas liberal, mas um pouco selvagem antes da chegada de Calvino (Link): “…deve ser admitido que eles foram levados ao excesso em Genebra, e que prevaleceu a maior dissolução de maneiras.” Ele argumenta que a moralidade da cidade exigia reforma, mas que os Reformadores tentaram muito rapidamente (eles ” deveriam ser extirpados de uma vez …”), o que levou a algumas das gravações aparentemente duras encontradas nos Fragmentos. Ele se refere especificamente para o incidente do “cabelo” (Link):

O casamento foi ordenado para ser solenizado com o mínimo de exibição possível. Em vez da festa alegre que tinha sido até então, foi convertida em uma cerimônia puramente religiosa e santificada por um sermão. Se a noiva ou seus companheiros se enfeitassem de maneira contrária ao evangelizado, eram punidos com pena de prisão.

Do mesmo período, existem os Artigos Referentes à Organização da Igreja e do Culto em Genebra de 1537 (Link), provavelmente produto do próprio Calvino. Não há nada específico neste documento sobre cabelo. Não há nada então que ligue Calvino diretamente a este incidente. Por outro lado, embora escrito mais tarde, temos os comentários de Calvino em 1 Pedro 3: 3 (Link). Leia abaixo os comentários de Calvino:

  1. Cujo adorno. A outra parte da exortação é que as esposas devem se enfeitar com moderação e modéstia: pois sabemos que, a esse respeito, elas são muito mais curiosas e ambiciosas do que deveriam. Então Pedro não procura, sem motivo, corrigir neles essa vaidade. E embora ele reprove os adornos suntuosos ou caros, ainda assim ele aponta algumas coisas em particular, – que eles não deviam enrolar ou enrolar artificialmente seus cabelos, como geralmente era feito com alfinetes, ou de outra forma para modelá-los de acordo com a moda; nem deviam pôr ouro em volta da cabeça: pois estas são as coisas em que especialmente aparecem os excessos.

Pode-se perguntar agora se o apóstolo condena totalmente o uso de ouro para adornar o corpo. Se alguém insistisse com essas palavras, pode-se dizer que ele proíbe roupas preciosas não menos do que ouro; pois ele imediatamente adiciona, o vestir de vestuário, ou, de roupas. Mas seria um rigor imoderado proibir totalmente o capricho e a elegância nas roupas. Se o material for considerado muito suntuoso, o Senhor o criou; e sabemos que a habilidade na arte procedeu dele. Então Pedro não pretendia condenar todo tipo de enfeite, mas o mal da vaidade, a que as mulheres estão sujeitas. Duas coisas devem ser consideradas nas roupas: utilidade e decência; e o que a decência exige é moderação e modéstia. Fosse, então, uma mulher sair com seu cabelo desenfreadamente cacheado e enfeitado, e fazer uma exibição extravagante, sua vaidade não poderia ser desculpada. Aqueles que objetam e dizem que vestir-se desta ou daquela maneira é uma coisa indiferente, na qual todos são livres para fazer o que quiserem, podem ser facilmente refutados; pois elegância excessiva e ostentação supérflua, em suma, todos os excessos surgem de uma mente corrompida. Além da ambição, o orgulho, a afetação da exibição e todas as coisas desse tipo não são coisas indiferentes. Portanto, aqueles cujas mentes são purificadas de toda vaidade, ordenarão devidamente todas as coisas, de modo a não exceder a moderação.

Observe também os comentários de Calvino sobre 1 Tm. 2 :9 (Link):

Da mesma maneira também as mulheres. Assim como ele ordenou aos homens que levantassem as mãos puras, ele agora prescreve a maneira pela qual as mulheres devem preparar-se para orar corretamente. E parece haver um contraste implícito entre as virtudes que ele recomenda e a santificação externa dos judeus; pois ele sugere que não há lugar profano, nem de onde homens e mulheres não possam se aproximar de Deus, desde que não sejam excluídos por seus vícios.

Ele pretendia abraçar a oportunidade de corrigir um vício ao qual as mulheres estão quase sempre inclinadas, e que talvez em Éfeso, sendo uma cidade de grande riqueza e extensa mercadoria, especialmente abundante. Esse vício é – ansiedade e desejo excessivos de estar ricamente vestido. Ele deseja, portanto, que seu vestuário seja regulado pela modéstia e sobriedade; pois o luxo e as despesas imoderadas surgem do desejo de fazer uma exibição, seja por motivo de orgulho, seja para afastar-se da castidade. E, portanto, devemos derivar a regra da moderação; pois, visto que o vestuário é uma questão indiferente (como todas as questões externas), é difícil estabelecer um limite fixo, até onde devemos ir. Os magistrados podem de fato fazer leis, por meio das quais o furor por gastos supérfluos será em certa medida contido; mas professores piedosos, cuja função é guiar as consciências, deve sempre ter em vista o fim do uso lícito. Isso pelo menos será resolvido além de toda controvérsia, que tudo no vestuário que não esteja de acordo com a modéstia e sobriedade deve ser reprovado. No entanto, devemos sempre começar com as disposições; pois onde reina a libertinagem interior, não haverá castidade; e onde reina a ambição por dentro, não haverá modéstia no vestuário exterior. Mas porque os hipócritas comumente se valem de todos os pretextos que podem encontrar para ocultar suas disposições perversas, temos a necessidade de apontar o que os olhos veem. Seria uma grande baixeza negar a conveniência da modéstia como o ornamento peculiar e constante das mulheres virtuosas e castas, ou o dever de todos observar a moderação. O que quer que se oponha a essas virtudes, será em vão desculpar. Ele censura expressamente certos tipos de supérfluos, como cabelos cacheados, joias e anéis de ouro; não que o uso de ouro ou de joias seja expressamente proibido, mas que, onde quer que sejam exibidos com destaque,
Em ambas as passagens, Calvino menciona cabelos cacheados e vaidade. Talvez tenha sido a influência de Calvino que fez com que essa mulher fosse detida e encarcerada? Parece que um cabeleireiro havia penteado o cabelo de uma mulher de tal maneira que ela simplesmente parecia … bonita demais, o que seria uma demonstração externa de vaidade na mente de Calvino. Sem nenhuma evidência direta, é especulação, na melhor das hipóteses, que Calvino teve algo a ver com isso.

Adendo
Aqui está um artigo interessante: Desembaraçando a história: o que significavam os cabelos e os penteados na Europa dos séculos 16 e 17 (Link) . O autor afirma:

No início da Europa moderna, a vestimenta era regulamentada por “leis suntuárias”. Esses regulamentos estabelecem quem pode usar o quê e quando, de acordo com uma hierarquia de privilégios que Deus acredita. Algumas das leis relacionavam-se não apenas com roupas, mas também com cabelo.
-recorte-

Em algumas áreas, a Reforma fez dos excessos extravagantes um assunto de discussão e tentou regular as roupas em relação a uma nova estética de piedade e moral de modéstia.
-recorte-
As primeiras cidades europeias modernas promulgaram leis que definiam os privilégios e deveres de diferentes grupos. Esperava-se que nobres, clérigos e camponeses, por exemplo, se vestissem e se comportassem de certas maneiras: o que era apropriado para um grupo era impróprio para outro. Na esteira da Reforma, esperava-se que as pessoas cumprissem as novas regras de vestimenta – mas, como sempre, havia alguns que estavam determinados a testar os limites da autoridade.

Fonte: Beggars All Reformation & Apologetics – Calvin Beheaded a Child in Geneva?

Fonte 2: Beggars All Reformation & Apologetics – Calvin`s Geneve: A woman was jailed for arranging her hair to an ‘immoral height”

Tradução: Fábio Jefferson

Colunista Fábio Jefferson
Meu nome é Fábio Jefferson, gosto de estudar a história do Cristianismo e da Reforma Protestante, moro em Fortaleza-Ce; tenho 23 anos e sou Cristão-Pentecostal, membro da Igreja Evangélica Assembléia de Deus, Ministério Fortaleza. Sou apenas formado em Gestão Turismo. Espero ajudar e aprender mais e mais com todos os meus irmãos, independente de denominação ou placa de Igreja, o importante é que juntos, formamos o CORPO DE CRISTO.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s